Cigarro eletrônico, o que é isso?

Fumar já não faz tanto sucesso como em décadas anteriores, há bastante tempo o consumo do cigarro tem sido desestimulado, mas acha que as pessoas que ganhavam dinheiro com o cigarro desistiu? Claro que não, sempre criam artifícios para continuarem a ganhar dinheiro. Inventaram o cigarro eletrônico que a princípio substituiria o cigarro convencional e não faria tanto mal, mas será?

O cigarro foi inventado na China e tem como proposta a substituição do cigarro convencional e fazer menos mal, nele estaria presente apenas a nicotina que é a substância que vicia, mas em contrapartida não estaria mais presente

O que ocorre é que não há um consenso se realmente o cigarro eletrônico não faz mal à saúde, mas a maioria das pessoas especialista no assunto no Brasil acredita que o cigarro eletrônico a longo prazo pode fazer mal, ou no mínimo o consumo não deve ser incentivado pelo fato de não haver ainda estudos suficientes que comprovem que ele não faça nenhum mal.

Hoje saiu no site Folha uma entrevista com a médica Tânia Cavalcante médica do Inca (Instituto Nacional do Câncer) e secretária- executiva da Conicq (Comissão Interministerial para o controle do Tabaco) em que ela fala desse assunto do cigarro eletrônico, na entrevista ela deixa clara sua posição sobre o assunto, para a médica é cigarro eletrônico não é um produto inócuo como alguns têm divulgado, a longo prazo corre-se o risco de termos efeitos negativos como o câncer

Segundo a médica há uma forte pressão sobre as autoridades para que o cigarro eletrônico seja aceito no Brasil, as empresas que ganham dinheiro com a venda desses produtos estão tentando a todo custo que a venda seja liberada

Há países como os Estado Unidos que a venda é liberada do cigarro eletrônico, hoje os jovens fazem mais consumo dele do que do cigarro convencional. Para a médica o cigarro eletrônico só traria benefícios para aquelas pessoas que já tentaram todos os métodos possíveis para largar o vício e não conseguiu, apenas nesse caso ela vê algum benefício.

Como é o cigarro eletrônico

O cigarro eletrônico é vendido por várias marcas e algumas coisas podem variar, mas basicamente é um produto eletrônico que tem a aparência do cigarro convencional, mas que não utiliza da queima de tabaco e assim evita a inalação de monóxido de carbono e nem do alcatrão.

Dentro do cigarro eletrônico há um líquido que mistura algumas coisas dentre elas e a mais importante a nicotina que o que causa a dependência. Ele também é conhecido e-cigarro, e-cig ou e-cigarette. Esse cigarro produz um vapor que o fumante inala e simula assim a sensação de estar fumando um cigarro convencional.

O viciado no cigarro precisa de todo o ritual que está envolvido no ato de fumar, por esse motivo é mais fácil de o cigarro virtual dá certo, pois ele se assemelha ao cigarro convencional. Uma das formas de tratamento inclusive envolve esse ritual que o fumante cria.

Atualmente há cigarros eletrônicos em que acende uma luz de lede quando é tragado imitando assim a chama do cigarro

A ideia do cigarro eletrônico é boa, seria a substituição do cigarro que faz mal por um que não faria, a questão está justamente nesse ponto, se fará mal ou não.
Normalmente temos a tendência de defender o não uso do cigarro e seguir sempre nesse caminho, mesmo que seja o cigarro eletrônico, é assim geralmente que as pessoas têm se posicionado no Brasil, pois ainda há questionamento se realmente o cigarro eletrônico mais ajuda do que atrapalha. Foi uma surpresa ao pesquisar em páginas conhecidas do país, no famoso site wikipedia o texto sobre esse assunto mostra uma tendência favorável ao uso do cigarro eletrônico. Há algumas vantagens segundo a página que o uso de cigarro eletrônico traz que são:

  • Não compromete o olfato e o paladar
  • Não causa envelhecimento da pele
  • Não atrapalha no fôlego
  • Não promove incêndios
  • Não causa tosse
  • Não polui o meio ambiente
  • Não causa escurecimentos dos dentes
  • Sai mais barato a longo prazo do que o convencional

Na página do wikipedia traz várias opiniões de alguns especialistas no assunto dizendo serem a favor do cigarro eletrônico, caso queira saber mais lá é um bom começo.

Apesar de ainda existirem muitos fumantes no Brasil, o número tem diminuído ao longo dos anos, o combate antitabagismo tem tido resultados positivos. No Brasil ainda morre cerca de 156 mil pessoas por ano por causa do cigarro e no mundo são cerca de 7 milhões, esse número já foi maior, mas ainda é muita coisa. Quem sabe um dia esse número cai bem mais significativamente à medida que nossa consciência a esse respeito aumente e ficaremos livres desse mal.


fonte: kidshealth

imagem: gazettereview

Comente com Facebook

comente