Como são escolhidos os nomes dos furacões

Esses dias teve um furacão que devastou vários países cujo nome era Irma, daí uma pergunta que é comum de surgir é de como são escolhidos os nomes dos furacões, quem os batiza, você já teve essa curiosidade também?

Muitos furacões acontece e já aconteceram, uns ficam mais famosos quando sua destruição é maior. Por morarmos em um país que não acontece furacão (ainda bem) acabamos conhecendo apenas os mais famosos, mas todos os anos eles formam. Este furacão irmã que fez tanto estrago passou pelas Ilhas de Anguilha, República Dominicana, São Martin, Antigua e Barbuda e também nos Estados Unidos. Este furacão já está inscrito como um dos mais fortes da história, antes dele um dos furacões que mais fez sucesso (no sentido negativo) foi o furacão Katrina, lembra?

Observaram que os nomes são de pessoas, tanto nomes masculinos quanto femininos, apesar de que esses dois citados anteriormente serem femininos houve também furacões com nomes masculinos que fizeram muito estrago.

Os nomes dos furacões não tem nada a ver com as vítimas do Titanic e nem a ver com nomes de esposas de pesquisadores, os nomes são escolhidos pela Organização Meteorológica Mundial que está atualmente situada em Genebra na Suiça e é uma agência da ONU (Organização das Nações Unidas). Os nomes são para ser mais fácil lembrar dos furacões evitando assim confusões e para que os alertas emitidos também sejam mais bem compreendidos pelos moradores.

É uma lista com 21 nomes que seguem uma sequência e ordem alfabética com nomes masculinos e femininos. Os nomes dos furacões pode repetir, caso seja usado todos os nomes da lista eles voltarão ao primeiro. Esse ciclo de nomes só são modificados a cada 6 anos, ou seja, passado esse tempo uma nova lista de nomes é criada.

Quando um furacão causa muito estrago eles têm a tendência de aposentar aquele nome, pois geralmente esses furacões marcam e poderiam ser confundidos. Por exemplo, o nome Katrina foi retirado da lista e não mais entrará. Este ano já tiveram vários furacões ou tempestades tropicais, quase não temos notícias deles por que não se tornaram tão famosos. Este ano a lista já passou pelos nomes Arlene, Bret, Cindy, Don, Emily, Franklin, Gert, Harvey, Irma, José e Katia. Observem que o furacão Irmã aconteceu concomitantemente com os dois seguintes.

A história dos nomes

Esse hábito de colocar nomes nas tempestades e furacões já bem é bem antiga, há registros que no século XIX já batizavam os furacões com nomes de santos católicos, dependia do dia que o furacão acontecesse, pois na tradição católica todos os dias do ano é comemorado algum santo. Por exemplo, se o furacacão acontecesse em 04 de outubro ele seria batizado com São Franciso.

O costume de colocar nomes femininos é atribuído ao meteorologista australiano Clement Wragge que segundo a história colocava nomes de mulheres que ele não gostava nos furacões ou tempestades.

Consta também que na Segunda Guerra Mundial que a Marinha e o Exército dos Estados Unidos mapeavam as tempestades e furacões e davam-lhes nomes informais femininos. Foi em 1979 os nomes femininos e masculinos passaram a ser usados oficialmente para listar os furacões e tempestades.

Eles já tem um plano B caso o números de eventos ocorrerem mais do que 21 vezes dentro de um período, aí passa-se a usar as letras do alfabeto grego: Alfa, Beta,…


Fontes: bbc

imagem: almanac

Comente com Facebook

comente