O avanço das superbactérias poderá trazer milhões de mortes até 2050

Cada vez mais se torna preocupante o uso de antibióticos no mundo, a criação de superbactérias é algo real e já está presente, segundo estudos se nada for feito dez milhões de pessoas poderão morrer por ano até o ano de 2050.

O crescimento populacional das superbactérias está se espalhando por todo mundo nos alimentos que são dados a animais geralmente para o gado. Dessa forma essas bactérias poderão se espalhar rapidamente, pois os países distribuidores de comidas para o gado já estão contaminados e eles distribuem para quase todo o mundo.

Por causa dessa preocupante realidade o ex-ministro britânico David Cameron iniciou uma repressão à venda indiscriminada de antibióticos na época em ainda trabalhava no cargo. Os antibióticos são a verdadeira preocupação dos especialistas, pois é por causa do constante uso e de forma exagerada foi que criou-se essas bactérias resistentes.

O que acontece é que o uso de antibióticos se tornou tão comum que as bactérias estão se adaptando a ponto de não morrerem mais com o uso do remédio. O que descobriram nos últimos tempos é que essas superbactérias estão presentes nos insumos de fabricação de comida para o gado como na farinha de peixe, farinha de carne, farinha de osso e na farinha de frango. O que os cientistas descobriram foi que a farinha de peixe que é uma das mais importantes exportações do mercado está servindo de meio de transporte para os genes resistentes aos antibióticos e isso afeta quase que o mundo todo.

Esses genes resistentes à antibióticos foram encontrados nas proteínas de farinha na China, Peru, Rússia, Chile, Austrália e EUA. Podemos ficar admirados como que algo tão sério é tão pouco discutido, talvez seja por que os grandes responsáveis sejam as maiores potencias mundiais, se a origem fosse dos países mais pobres talvez as coisas fossem diferentes (opinião do autor).

Essas superbactérias é algo tão sério que alguns cientistas chegam a compará-las com a Peste Negra que arrasou com a Europa no século XIV. O fim do uso dos antibióticos nos dias atuais seria algo bastante complexo com a atual conjuntura, mas provavelmente necessária.

O primeiro antibiótico descoberto (por que foi por acaso) foi a penicilina que foi a primeira cura para a sífilis. Antes as pessoas morriam por causa de coisas simples que hoje o antibiótico cura. O antibiótico provavelmente foi um dos maiores avanços da medicina, mas hoje corre o risco de ser uma das maiores desgraças para humanidade

Essas pesquisas apontam que essa luta deve ser global, todos os países devem estar de mãos dadas nessa causa, pois só assim poderá surgir uma solução. De nada adianta apenas um país fazer sua parte, pois hoje a Terra está interconectada e interdependentes.


Fonte e imagem: independent.co.uk

Comente com Facebook

comente