Será que sou uma pessoa antissocial?

Se você veio para aqui é bem possível que se fez essa pergunta alguma vez “Será que sou uma pessoa antissocial?”. Saiba que essa pergunta não é só você quem faz, há muitas pessoas nessa situação.

Deve-se diferenciar aqui o termo “antissocial”, pois ele comumente é utilizado para designar pessoas que gostam de ficar em casa a sair para lugares públicos ou estar com amigos. Esse é o sentido popular da palavra, mas ela tem uma acepção bem diferente e mais profunda.

Se quisermos usarmos o termo “antissocial” com o sentido dado acima, ou seja, aquela pessoa que adora uma maratona da Netflix no final de semana em vez de uma festinha com os amigos, e se você se encaixa nele, então realmente antissocial. Mas entenda, apenas nesse sentido popular, pois como dissemos o termo é mais amplo e sobre esse sentido que vamos falar.

O termo comportamento antissocial é um termo utilizado na psiquiatria para dizer de uma doença chamada Transtorno de Personalidade Antissocial. Esse transtorno tem aspectos semelhantes ás características citadas acima sobre antissocial no sentido popular, mas ultrapassa a elas. Esse transtorno se estende para outras áreas da vida e de forma muito mais exacerbada atrapalhando assim a vida do sujeito

Quem tem o Transtorno de Personalidade Antissocial se sente extremamente angustiado e incomodado quando está junto com pessoas desconhecidas, quando está com um aglomerado de pessoas em lugares públicos, eventos sociais e afins. É diferente daquela pessoa que ama ficar em casa comendo pipoca e assistindo a filmes, as pessoas com esse transtorno sofrem muito quando precisam estar com outras e em lugares públicos.

Existe também uma espécie de ramificação por assim dizer desse comportamento, é quando a pessoa passa a infringir a lei e as normas de boa convivência em uma sociedade, aí também podem se encaixar nesse transtorno. Essas pessoas que muitas vezes intitulamos como revoltadas que fazem pichações, depredam coisas públicas e são hostis em relação às demais.

Pessoas que quebram regras podem possuir esse transtorno, mas não significa que quebrou regras possui o transtorno, não é bem assim. Para fazer esse diagnóstico apenas profissionais da área da psicologia e psiquiatria.

A crença é que esse transtorno não tem tratamento, mas segundo o Donald W. Black, MD, professor de psiquiatria da Universidade de Iowa que escreveu um livro chamado Garotos maus, homens maus: Enfrentando o Transtorno da Personalidade antissocial (sociopatia), revisado e atualizado (tradução do autor) a verdade é que não se sabe se há ou não tratamento, pois não houve estudos suficientes para tal afirmação.

Mas e eu?


Calma, sei que tomamos caminhos que você não esperava sobre ser antissocial, mas é que o termo é utilizado em outros contextos. Se você é do tipo de ficar em casa e não gostar tanto de sair não é nenhum transtorno, pelo menos a princípio.

São considerado transtornos ou doenças quando algo começa aparecer em um grupo de pessoas e em vários locais e além do mais isso tem que trazer um prejuízo significativo para a vida do sujeito. Se seu comportamento é de não querer visitas em casa que deve ser pensado é os motivos. Muitas pessoas simplesmente preferem ficar sós, gostam da própria companhia. Ou é uma pessoa tímida que tem dificuldade em ter amigos e de estar lugares mais cheios de pessoas.

A timidez a princípio não é ruim nem boa, há pessoas que conseguem lidar com essa característica muito bem. Os motivos para uma pessoa preferir ficar em casa são muitos e normalmente não estão relacionados a nenhum transtorno específico.

Dentro desde mesmo pensamento podemos pensar nos jovens japoneses atuais, segundo reportagens televisivas os jovens japoneses estão demonstrando um comportamento antissocial (no sentido popular de timidez ou não querer relações) tremendo a ponto de que eles não estão se relacionando mais com o sexo oposto e sim com pessoas virtuais e robôs. Caso esse comportamento cresça a um determinado ponto pode se tornar um transtorno, se já não é um. Esse comportamento está dificultando os relacionamentos e se esse comportamento se estendem para uma parcela muito grande a sociedade japonesa correria o risco de extinção.

Ficar em casa assistindo a séries realmente é algo de pessoas antissociais (no sentido popular do termo) desde que isso seja mais forte do que os momentos com outras pessoas. Vários são os fatores que contribuem para esse comportamento, entre elas está a violência que assusta muitas pessoas.

Há alguns sinais que indicam que você é antissocial elaborados pela psicólaga Ana Paula Magosso Cavaggioni da USP?

– Não sai do quarto para cumprimentar as visitas
– Evita sentar ao lado de pessoas no ônibus
– Foge de pessoas conhecidas quando depara com elas no shopping
– Não consegue ouvir um desabafo de um amigo por telefone
– Fica feliz quando o churrasco com os amigos é cancelado
– Dificuldade em bater um papo com desconhecidos no ponto de ônibus
– Inventa desculpas para não sair de casa

Mas enfim, se a pessoa está feliz com seu jeito “fechadão” de ser quem pode falar alguma coisa? O importante é a pessoas conseguir fazer o que quer.


fontes: estilo.uol; antisocial

imagem: healthyplace

Comente com Facebook

comente